“A cada dia que vivo; mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade.”

(Carlos Drummond de Andrade)

sexta-feira, 30 de março de 2012

Voce é o meu amor, o meu Senhor


   Quando estou ali...  É como sonhar de olhos abertos, ou vendados...  Viver, saber que estou para ti, é como uma ilusão intangível tocando a minha pele, é uma felicdade que dói, que preciso, que parece que não tenho direito a ela.   Voce em mim, é como um veneno com sabor de mel, um vício, uma necessidade insana, voraz...   Consome a minha carne, os meus pensamentos, devora meu coração e mesmo assim eu quero, preciso...   Voce acima de mim...   Meu desejo de te olhar...   Não posso, não deixas e eu...   Desenho teu rosto na minha lembrança, simples como todos os dias faço...    Saudade...    
   Eu olho para trás e não me reconheço mais...   Agora sou a tua escultura, o teu trabalho de lapidador...   Toda minha pele é tatuada das tuas digitais e tem o sabor do teu suor.    Voce comigo é magia sem igual, eu sinto teu desejo e o teu amor.   A tua força que me submete a teus pés, o teu cheiro me alucina, tua voz me faz tremer, querer...   Voce é o meu amor, o meu Senhor...

D. Trugillo.

Himalaya

Slides e links de todas as postagens